Arquivo Criminal: +18 - Resenha do Livro Serial Killers: Anatomia do Mal e Jeffrey Dahmer

maio 03, 2015

Conteúdo para maiores de 18 anos
Quem aqui é chegado em séries policiais focadas em assassinatos e serial killers? E em livros ou filmes do gênero? Confesso que é o meu tipo preferido e que me causa mais impacto. O poder que os assassinos impõem sobre a mente humana é imenso, e a curiosidade pra saber qual a causa dos assassinatos é tão grande quanto. Sempre fui apaixonada por esse mundo de desvendar mistérios e, lendo sobre o assunto, me sinto a própria detetive. Eu sei que tem gente que não gosta do tema, por isso o classifiquei como +18, já que aborda assuntos mais pesados. Como eu já disse antes e volto a repetir, o foco central do meu blog não é moda, beleza e seus anexos. O que eu quero deixar bem claro é que terão dias em que eu postarei sim essas curiosidades mais bizarras e assuntos de terror. Acho um tema sério e tenho certeza que tem muita gente que tem interesse no assunto, só não sabe como procurar :)
Hoje trouxe aqui um livro que ganhei do meu namorado: Serial Killers Anatomia do Mal, editora DarkSide, autor Harold Schechter. O livro é um verdadeiro compêndio sobre os mais terríveis serial killers e seus assassinatos mais marcantes. Nele é abordado uma variedade de temas, desde o princípio de onde surgiu o termo "Serial Killers" até o Serial Killer na Cultura Pop. O livro nos trás uma visão intima e detalhada sobre a vida dos assassinos, sejam eles dos anos de 1800 ou de 2000. As páginas te mostram o modus operandi de acordo com a transição das épocas. É engraçado ver como não muda muita coisa da época antiga para atualmente. O desejo de matar é o mesmo, o diferencial é o modo de matar ou o tipo de arma. A coluna que mais me chamou atenção foi a das crianças, deixando bem claro que não há restrições de idade para começar a cometer assassinatos brutais e dignos de filme. Ainda falando sobre crianças, houve um foco maior em Mary Bell, uma pequena assassina britânica com rosto angelical e personalidade predadora. 
A edição do livro é até clichê, mas é isso que dá o clima de "investigador". As páginas são geralmente marcadas por uma fita amarela - usada para distinguir a área do crime e para delimitar local de entrada proibida. Também existem palavras grifadas como importantes, auxiliando o leitor a entender melhor cada caso. Pra quem gosta do tema e quer reservar um tempo para o estudo de casos com um bom domínio, eu recomendo demais esse livro. Ainda não terminei de ler, mas como uma devoradora do gênero o aprovo de olhos fechados. Só não recomendo para pessoas mais sensíveis, pois existem palavras desagradáveis e casos bem bizarros - nada incomum para um livro onde o foco maior são assassinatos cruéis. Posso dizer pra vocês que ele é o meu queridinho do momento ♥
O livro centraliza que a maioria dos assassinos se tornam tal por possuírem uma infância marcada por estupros, pais alcoolatras e mães prostitutas, mas nem sempre isso é fato. Contrariando os casos, a infância de Jeffrey Dahmer foi feliz e não o impediu de se tornar um assassino canibal. O incomum neste caso é que Dahmer teve uma família estável e uma infância normal... até seus dez anos de idade, quando começou a se atrair por animais mortos, os quais dissecava e usava ácidos em seus ossos. Apesar dessa mania estranha, Jeffrey Dahmer viveu sua adolescência normalmente, até que com 18 anos ele começou a mudar, fazendo a sua primeira vítima. 
Jeffrey Dahmer - (1960-1994)
Onde atuava: Wisconsin - EUA
Período de atividade: 1978-1991
Vítimas: 17 rapazes de 14 a 31 anos
Prisão: Julho de 1991
Condenação: Prisão Perpétua

"Visto como bom rapaz, era tido pela vizinhança como jovem trabalhador, educado e recatado, mas, dentro de si, abrigava um monstro e sua selvageria aterrou os que de sua história souberam. Alimentando-se de estupros, assassinatos, necrofilia e canibalismo, o insaciável Dahmer matou, esquartejou, congelou, fritou e devorou seres humanos. No julgamento, seu advogado disse “Dahmer é um trem nos trilhos da loucura”, no que a promotoria refutou: “Ele não era o trem, era o maquinista!”. Incrivelmente, inspirou livros, músicas e filmes."

Jeffrey abordava homens jovens em bares gays, oferecendo dinheiro para fotografá-los em seu apartamento, onde eram assassinados. "Caveiras em um armário, canibalismo, criar "zumbis", necrofilia, lobotomias..." era a prova de sua loucura, segundo o advogado de defesa. Em algum momento, os vizinhos notaram um odor fétido vindo de seu apartamento. Mas quando bateram na porta de Dahmer para se queixar, ele explicou que seu freezer estava quebrado e havia carne apodrecida - que, no caso, eram cabeças humanas, intestinos, pulmões, rins e um coração. Dahmer disse à polícia que estava guardando o coração para comer mais tarde. As gavetas do quarto estavam cobertas de fotos polaroids de partes de corpos e cadáveres mutilados - inclusive uma parte humana corroída por ácido e um altar com velas e órgãos.

Peritos usando roupas apropriadas e máscaras para se proteger do odor de carne apodrecida

O julgamento de Jeffrey começou em Janeiro de 1992. Apesar de todas as provas apontarem para si, Dahmer declarou-se inocente e alegou insanidade. Mais tarde Dahmer exprimiu remorsos e disse que desejou a sua própria morte. Condenado a 957 anos de prisão, realizou seu desejo em novembro de 1994, ao ser espancado até a morte por outro prisioneiro.

Jeffrey Dahmer na Cultura Pop

Ke$ha - Cannibal
Be too sweet, and you'll be a goner
Yep, I'll pull a Jeffrey Dahmer
I eat boys up
Breakfast and lunch
Then when I'm thirsty
I drink their blood
Carnivore, animal
I am a cannibal
I eat boys up
You better run

Katy Perry - Dark Horse (Feat. Juicy J) 
She's a beast
I call her Karma
She eat your heart out
Like Jeffrey Dahmer

Pearl Jam - Dirty Frank

Eats meat... eats meat... look out...
Dirty Frank Dahmer, he's a gourmet cook...

Got a recipe for famous ankle soup.

Wanted a pass, so she relaxed...

Now the little groupie's getting chopped up in the back.

Got a cupboard full of fleshy fresh ingredients.

Very careful, at the same time quite expedient.

Eats meat, a release...
Quem quiser saber sobre a vida de Jeffrey Dahmer detalhadamente, aqui coloco um documentário para o estudo:


Leia Também

10 Pichadas

  1. Já conhecia um pouco da história dele pelas músicas mesmo. Muito interessante e surreal ao mesmo tempo :O O livro deve ser muito bom.
    ;**

    Red Behavior

    ResponderExcluir
  2. Confesso que nunca tinha ouvido falar sobre essa historia, porém fiquei super interessada no livro!!
    Já seguindo o seu blog! Convido você a conhecer o meu e se gostar siga de volta!!

    www.amandaoliveirablog.com

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Gente, que incrível que deve ser esse livro! Eu adoro ler sobre esse tipo de coisa, mesmo achando bizarro demais. As vezes eu queria estudar sobre a mente humana pra tentar entender esses casos. Assustador pensar que é real!
    Beijos

    www.fernandamrgd.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito legal mesmo e é bem longo. Eu fiz farmácia na intenção de entrar para a perícia, mas tô pensando em fazer Direito que remete bem à crimes. É muito interessante o estudo da mente humana e o livro fala bastante disso também!!

      Excluir
  4. Great post! i love it!
    kisses

    http://pearlsandrosesdiary.blogspot.gr/

    ResponderExcluir
  5. o livro deve ser mesmo muito interessante! meio bizarro, mas muito interessante :)

    ResponderExcluir
  6. Amei a reseeeenha, fiquei super curiosa para ler o livro, adoro esse assunto. Sou viciada no canal ID, da discovery, já conhecia o caso da Mary Bell, e realmente ver crianças tão novas comentendo assassinatos horrendos assusta!

    Beijos, Love is Colorful

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei que eu era a única viciada no ID kk. É bem assustador o caso da Mary Bell, né?
      Beijocas ♥

      Excluir
  7. Achei legal a indicação do livro, vou procurá-lo. Agora, eu não sou muito a favor dessa cultuamento musical do Jeffrey Dahmer, acho que banaliza um pouco os crimes dele...Minha opinião apenas rss. Beijão

    http://www.trendtotal.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não. Acho que faz meio que uma apologia aos crimes cometidos, mas a mídia quer impor sucesso até através de assassinatos kk.
      Beijão ♥

      Excluir